Tragédia E Outras Obras Primas

Meu calcanhar de Aquiles,
De “calcanhar” não tem nada!
Trata-se de um órgão patético
Com uma função consagrada,
Meu coração! Teimoso e viril
Que não recua frente às evidências,
E bem que este corpo cavernoso e imbecil
Por vezes revela-se uma bomba cronometrada,
Que bombardeia minh’alma de maneira nada sutil.

É aqui, bem aqui, à deleitosa deriva
Nesta devastada terra chamada eu,
Em que a neblina densa esvai-se lenta
Gélida, como sempre, me comprometeu.
Trai-me e engana-me tiranamente,
Ofuscando caminhos e passos meus
Por opacas vitrines que cercam-me blindadas
E por fim dou de cara com o reflexo do breu.

Foi bem ali, no covil da esperança remanescente
Que cobriu meus sonhos o véu da incerteza
E meus pensamentos tomou aos goles, indecente
Realeza das lágrimas, império de amargura
Nada é absoluto, não creio mais cegamente;
Pólvoras e gatilhos, revelam-se desfechos tristonhos
Dando fim a uma dor que devora lentamente.

Enfim, foi lá, nos caminhos cruzados
Pelas ruas de pedra, e rodovias a fio
As emoções se rebelaram sem pudor, desvairadas
Como arruaceiras que são reacenderam o pavio
Definindo quando ou não devem refrear
Os impulsos de uma alma que muito cedo implodiu.

por Júnio Liberato

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: